Como começar?

Sua empresa necessita de uma abordagem ampla e universal para os riscos aos quais está exposta. A partir dessa demanda, a Hellner oferece à sua empresa um modelo de gestão de risco que não se inicia e termina na contratação de uma apólice de seguro. A nossa consultoria vai muito além.

O nosso trabalho engloba:

  • Identificação dos riscos existentes (patrimoniais, financeiros, de pessoas, estratégicos).
  • Classificação dos riscos em freqüência e extensão (pequenos, médios ou grandes), que subsidia a decisão de quais riscos devem ser assumidos pela empresa, quais podem ser reduzidos ou eliminados e quais serão transferidos para uma seguradora através de uma apólice.
  • Cotação do mercado segurador para os riscos a serem segurados.
  • Aquisição do contrato de seguro.
  • Acompanhamento contínuo e gerenciamento da apólice.
  • Reavaliação periódica dos riscos.
  • Análise e liquidação de sinistros.
  • Manutenção das apólices (renovações, endossos, etc).

A Hellner é a sua representante no mundo dos seguros.

Ansiedade

anxiety1

Ficamos ansiosos diante do desconhecido, quando não temos controle diante de uma situação que está para acontecer ou uma emoção que não sabemos nomear. A ansiedade já pode ser considerada uma epide- mia, as pessoas consideram normal estar nesse estado e por isso ela passa despercebida. Há uma incidência cada vez maior de pessoas que estão vivendo no seu limite.

 

Na família o contágio acontece silenciosamente, o que é preocupante. Quando um membro da família sofre de ansiedade, os demais acabam inconscientemente absorvendo o modo de funcionar do ansioso, o que aumenta o desconforto geral prejudicando a dinâmica familiar e suas relações.

Sintomas

Às vezes, a ansiedade pode ser positiva. Quando estamos diante de uma situação inesperada, que somos forçados a reagir, a ansiedade serve como fator motivacional que nos impulsiona para a busca de uma solução. Porém, este estado emocional não pode ser mantido por muito tempo, pois ele desencadeia problemas como: dificuldade de relaciona- mento, perda de comprometimento, desânimo, solidão, em alguns casos até pânico.

O pânico aparece como episódios súbitos e imprevisíveis de intenso medo. Os sintomas de um ataque de pânico podem ser: palpitações, dores torácicas, falta de ar, tontura, tremor e sudorese. Algumas pessoas com ataque de pânico chegam a procurar o pronto-socorro extremamen- te angustiadas, achando que irão morrer por causa desses sintomas.

Fique alerta

A ansiedade vem se configurando como um dos grandes problemas de nossos tempos. Vida agitada, pres- são, stress se somam gerando esta doença que tanto prejudica a qualidade de nossas vidas. Para que possa- mos impedir o avanço desta epidemia devemos observar as nossas atitudes diárias, o nosso posicionamento frente as incertezas, o nosso diálogo interno em relação ao futuro e principalmente, analisar como o seu jeito de funcionar está afetando a coletividade.

Aceite conviver com a insegurança quando ela surgir a sua frente, não queira se livrar dela, não tenha pressa. Quanto mais você aceitar conviver com a insegurança, mais calmamente ela ira embora e mais a sua mente e acalmara. Quanto mais você tentar se livrar dela, mais ela se tornará ansiedade.

Resumindo, mente acelerada é mente desequilibrada, para livrar-nos da ansiedade devemos aprender a desacelerar a nossa mente. Depende de cada um, o combate a esta epidemia.

PODEMOS SER DOENÇA OU CURA. A ESCOLHA É NOSSA.

Continue lendo

Dia 31 de maio – Dia Mundial sem tabaco

Man Smoking Cigarette
foto: http://www.vipelectroniccigarette.ie

Doenças associadas ao uso dos derivados do tabaco

Fonte: www.inca.gov.br / INCA – Ministério da Saúde

Muitos estudos desenvolvidos até o momento evidenciam sempre o mesmo: o consumo de derivados do tabaco causa quase 50 doenças diferentes, principalmente as doenças cardiovasculares (infarto, angina) o câncer e as doenças respira- tórias obstrutivas crônicas (enfisema e bronquite).

 

Além disso, esses estudos mostram que o tabagismo é responsável por:

  • 200 mil mortes por ano no Brasil (23 pessoas por hora);
  • 25% das mortes causadas por doença coronariana – angina e infarto do miocárdio;
  • 45% das mortes causadas por doença coronariana na faixa etária abaixo dos 60 anos;
  • 45% das mortes por infarto agudo do miocárdio na faixa etária abaixo de 65 anos;
  • 85% das mortes causadas por bronquite e enfisema;
  • 90% dos casos de câncer no pulmão (entre os 10% restantes, 1/3 é de fumantes passivos);
  • 30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer (de boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga e colo de útero); 25% das doenças vasculares (entre elas, derrame cerebral).

O tabagismo ainda pode causar:

  • impotência sexual no homem;
  • aneurismas arteriais;
  • infecções respiratórias;
  • complicações na gravidez;
  • úlcera do aparelho digestivo;
  • trombose vascular.

As doenças cardiovasculares e o câncer são as principais causas de morte por doença no Brasil, sendo que o câncer de pulmão é a primeira causa de morte por câncer. As estimativas sobre a incidência e mortalidade por câncer no Brasil, publicadas anualmente pelo INCA indicam que, em 2003, 22.085 pessoas deverão adoecer de câncer de pulmão (15.165 entre homens e 6.920 entre mulheres) causando cerca de 16.230 mortes. Desse total de óbitos, 11.315 deverão ocorrer entre os homens e 4.915 entre mulheres. Porém, ao parar de fumar, o risco de ter essas doenças vai diminuindo gradativamente e o organismo do ex-fumante vai se restabelecendo.

O que você ganha parando de fumar

A pessoa que fuma fica dependente da nicotina. Considerada uma droga bastante poderosa, a nicotina atua no sistema nervoso central como a cocaína, com uma diferença: chega ao cérebro em apenas 7 segundos – 2 a 4 segundos mais rápi- do que a cocaína. É normal, portanto, que, ao parar de fumar, os primeiros dias sem cigarros sejam os mais difíceis, porém as dificuldades serão menores a cada dia.

 As estatísticas revelam que os fumantes comparados aos não fumantes apresentam um risco…

  • 10 vezes maior de adoecer de câncer de pulmão
  • 5 vezes maior de sofrer infarto
  • 5 vezes maior de sofrer de bronquite crônica e enfisema pulmonar
  • 2 vezes maior de sofrer derrame cerebral

Se parar de fumar agora, após…

  • 20 minutos sua pressão sangüínea e a pulsação voltam ao normal
  • 2 horas não tem mais nicotina no seu sangue
  • 8 horas o nível de oxigênio no sangue se normaliza
  • 2 dias seu olfato já percebe melhor os cheiros e seu paladar já degusta a comida melhor
  • 3 semanas a respiração fica mais fácil e a circulação melhora após
  • 5 a 10 anos o risco de sofrer infarto será igual ao de quem nunca fumou

Continue lendo